Política de Privacidade JK Shopping - DF.
Nós levamos sua privacidade a sério. Por isso, escrevemos este documento para demonstrarmos nosso compromisso em zelar pelas informações pessoais que você possa vir a nos fornecer quando visitar nosso site. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com nossa politica de privacidade. Ver Política de Privacidade.

Concordar e fechar

Horários

Lojas
De segunda a sábado: 10h às 22h
Domingos e feriados: 14h às 20h
Praça de alimentação
De segunda a sábado: 10h às 22h
Domingos e feriados: 12h às 22h

Horários

Lojas
De segunda a sábado: 10h às 22h
Domingos e feriados: 14h às 20h
Praça de alimentação
De segunda a sábado: 10h às 22h
Domingos e feriados: 12h às 22h

Fale conosco

O seu contato é muito importante para nós,use um dos números abaixo para falar conosco.

(61) 3246-8600
Comercial e contato
(61) 3246-8600
Administração

Envie sua mensagem

O seu contato é muito importante para nós, preencha o formulário abaixo para falar conosco.

Somos contra a prática de spam, seus dados estão seguros conosco.
Enviar mensagem

Newsletter

Novidades exclusivas do JK no seu email, inscreva-se preencha o formulário

Somos contra a prática de spam, seus dados estão seguros conosco.
Quero receber novidades

Pesquisa JK Shopping

Digite aqui o que você quer e a gente pesquisa pra você.

Procure por lojas, eventos, ofertas e etc...
Pesquisar
Blog
#VEM VIVER AS NOVIDADES DO JK!
Arte

Mulheres e crochê: uma arte entre tramas e linhas

Mulheres e crochê: uma arte entre tramas e linhas

O crochê é uma arte que envolve muito mais do que linhas, agulhas, gráficos, pontos e a peça final. É a união de conhecimento passado de geração em geração somado a técnicas e ferramentas, o que o leva ao pertencimento a uma cultura, a um povo. Até este momento sua origem é indefinida - e não por falta de tentativas em encontrar essa resposta.

Muitos estudiosos, com o passar do tempo, dedicaram-se a decifrar esse enigma, mas o que temos ainda são sussurros de um conto – quase fábula – remetendo aos Irmãos Grimm.

A especialista Annie Potter, por exemplo, relata que em 1916 o antropólogo Walter Edmund Roth visitou descendentes dos indígenas da Guiana e encontrou exemplos do que poderia ser o “verdadeiro crochê”. Já Lis Paludan, escritora e pesquisadora, apresenta três teorias: a primeira sugere que o crochê originou-se na Arábia, indo até o Tibete (ao leste) e à Espanha (a oeste), de onde seguiu as rotas comerciais árabes para outros países do Mediterrâneo. 

A segunda teoria defende que a evidência mais antiga do crochê veio da América do Sul, onde dizia-se que uma tribo primitiva usava adornos crochetados em ritos de puberdade. Por fim, a terceira conta que na China os primeiros registros da prática eram conhecidos de bonecas tridimensionais trabalhadas em crochê. 

Conhecimento passado de mão em mão 

Para além das teorias, a história mostra que muitas foram as maneiras de divulgação do crochê, antes mesmo do surgimento dos padrões escritos. As amostras e aplicações dos pontos eram feitas e depois costuradas em tecidos – como se fossem as páginas de um livro – e encadernadas como álbuns. Estes álbuns, que continham as amostras, eram emprestados de pessoa a pessoa para que todos pudessem aprender e fazer aquele determinado ponto.

Em meados de 1800 surgiram os primeiros livretos de crochê, que continham ilustrações em xilogravura da peça a ser aprendida. Eles traziam padrões de golas, adornos de cabeça, xales, punhos, rendas, bolsas e chinelos. E também compartilhavam dicas de materiais recomendados para a confecção das peças em crochê, sempre na cor branca.

Duas décadas depois, em 1824, foram impressos os primeiros padrões de crochê. Sendo que algumas publicações tiveram papel importante nessa divulgação, como a revista Penélope, na Irlanda (1824 e 1849) e a revista Modern Pricilla, nos Estados Unidos (1887-1930), esta possuía apenas 16 páginas e trazia assuntos relacionados ao mundo feminino. Mesmo com a imprecisão desses primeiros padrões, houve uma euforia generalizada com possibilidades de novidades a serem aprendidas.

O crochê como resgate de oportunidade

Entre os anos de 1845 a 1849, a Irlanda enfrentou um período chamado de A Grande Fome (ou Fome das Batatas). Foram anos marcados por doenças e imigração, em que a população daquele país foi reduzida entre 20 e 25%. Diante desse contexto, os trabalhadores irlandeses, ou seja, homens, mulheres e crianças, foram organizados para aprender o crochê. 

Escolas também passaram a ensinar a habilidade aos professores, que foram enviados a todo país, mostrando aos trabalhadores como criarem seus próprios padrões. Como resultado desta nova habilidade, as famílias passaram a contar com esses novos ganhos, o que lhes dava a chance de economizar o suficiente para emigrar e começar uma vida no exterior, especialmente na Inglaterra, levando a este novo lugar as habilidades no crochê.

A rainha Vitória, inclusive, era uma exímia tricoteira e esforçou-se para aprender a técnica, tornando-a mais elegante quando comparada às rendas de crochê criadas pelos irlandeses. Elas eram muito usadas pelos nobres e pelos religiosos, e em quase todas as vestes, na cor branca, simbolizando pureza e superioridade. Em sua velhice, a rainha Vitória ainda confeccionou oito cachecóis e lenços para presentear soldados veteranos da Guerra da África do Sul (1899–1902).

E o que fica para o futuro?

Após esse emblemático “nascimento”, o crochê foi se desenvolvendo e percorrendo mundos e culturas onde adquiriu características específicas. Foi, novamente, alternativa importante em períodos de guerra e escassez, como no início da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) em que as mulheres reformaram as próprias roupas e precisaram usar tecidos alternativos.

E surgiu também com força na decoração da casa nos anos 50 – nas famosas toalhinhas de crochê. Até os anos 60, mantinha o estilo clássico adquirido com o crochê irlandês, sustentando as características de trabalhos realizados com fio e agulhas finas. Mas a partir dos anos 60, ele foi mudando consideravelmente e adaptando-se às necessidades das épocas. Na década de 70, por exemplo, sob a influência da cultura hippie, o granny square atingiu seu auge: o quadradinho da vovó aparecia em mantas, xales, vestuário, bolsas e na decoração das casas, ditando moda até hoje.

Com as redes sociais, o crochê ganhou maior visibilidade difundindo, assim, as manualidades de maneira surpreendente. O grande número de compartilhamento da técnica fez com que mais jovens se interessassem por essa arte tão antiga. E, se alguém pensava que o futuro iria massacrar e extinguir o feito à mão, o cenário é outro: revitalização e valorização do manual, de tudo que é pessoal, do que demanda tempo para ser feito, do exclusivo e individual. O crochê acompanhou todas as transformações da História e se fortalece a cada dia. O que o futuro, reserva, portanto, parece ser uma mescla entre o artesanal, o industrial e o virtual.

“Entrelaçadas”

Como forma de ressaltar a arte do crochê, o JK Shopping realiza até 30 de abril, no JK Espaço Arte (Piso S1), a exposição “Entrelaçadas”. A ação, em parceria com o Instituto Proeza, Organização Social (OSC) que atua no combate a pobreza e as desigualdades sociais por meio de ações e estratégias que promovem o Serviço de Fortalecimento de Vínculos, visa ressaltar e homenagear as crocheteiras atuantes no projeto “Tecendo o Amanhã”, uma iniciativa social da instituição que propõe o empoderamento de mulheres em situação de vulnerabilidade por meio de trabalhos manuais ancestrais, como o crochê e o bordado.

O projeto incentiva o ato de tecer não apenas peças de crochê, mas também sonhos, afetos e possibilidades para um futuro melhor. O que reforça o compromisso do JK Shopping em fortalecer iniciativas de cunho social e empoderamento feminino. Por isso, a exposição “Entrelaçadas” surge não só como forma de prestigiar, mas de estimular esse vínculo e propósito. Na ocasião, serão homenageadas 10 crocheteiras responsáveis por produzir as instalações expostas, que também serão agraciadas com a exibição de fotos das mesmas pelo espaço.

As fotografias evidenciadas no espaço foram feitas por Tainá Frota, fotógrafa especializada em retratos, com trabalho no Brasil e exterior, autora do projeto Afeto Remoto™️ e parceira da UMMAS – Mulheres contra o Câncer. Os registros foram feitos especialmente para serem exibidos na exposição, levando afeto e singularidade para o centro de compras.

Atualmente, as principais lideranças do JK Shopping são ocupadas por mulheres, o que ressalta o comprometimento do empreendimento em oferecer ações inclusivas e de fortalecimento feminino, além do interesse em mitigar os efeitos causados pela desigualdade de gênero.

Sobre o Instituto Proeza

Nada mais brasileiro do que encapar diversos objetos com crochê, como botijões de gás e eletrodomésticos. Mas o Instituto Proeza elevou o nível. Em 2022, a organização finalizou o desafio de encapar um prédio de cinco andares com crochê. A jornada foi longa e difícil, foram 108 mulheres crochetando durante dois anos para alcançar o feito. O prédio de crochê trouxe visibilidade e mais que isso: trabalho para as mulheres.

O Instituto Proeza é uma Organização Social, fundada há 21 anos, que tem na sua essência a construção de autonomia para mulheres. Encontraram no artesanato e nos saberes ancestrais uma oportunidade de geração de renda, utilizando estas técnicas de maneira inovadora, como cenografia e arte. Esta visão os levou a colocar arte na Rinascente Milano Piazza Duomo, que concentra as melhores marcas Made in Italy e internacionais. Uma parceria valiosa com a marca Global Farm, que levou os feitos para outra rede que representa o luxo em Paris: o Lé Bon Marché.

Em parceria com a Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur), o Instituto Proeza esteve presente no lançamento da galeria itinerante “VisitBrazil”, em Paris e em Roma e encapou nada mais, nada menos que a fachada da Embaixada Brasileira em frente a Piazza Navona. Estampou também com o crochê, a Embaixada Brasileira em Londres. Além disso, o Proeza ainda fez cenografias para galerias de arte com a EMBRATUR nas cidades de Los Angeles, Miami, Nova Yorque e Londres. Outro feito de destaque foi a entrada do The Rock Mountain no Rio de Janeiro, onde flores, tucanos e arara foram cenografia da entrada principal do evento.

 

Postado por JK Shopping DF
Postado por: Jk Shopping
17 de março de 2024

O que você achou?

184
131
22
17
83
53

Mais do Blog JK Shopping

1

Moda inverno 2022: veja as principais tendências para apostar

2

Aniversário de Brasília, Tiradentes e Descobrimento do Brasil: conheça a história por trás de cada uma das datas

3

Cuidados com a pele no verão: entenda porque eles são essenciais

4

Festa Junina: o que é, características e origem

5

Mês da Consciência Negra: conquistas e lutas pelo fim do racismo

Artigos populares hoje

1

O que fazer nas férias? 8 ideias para inspirar seu tempo livre!

2

Nightography: conheça o recurso que permite registrar fotos e vídeos incríveis à noite

3

3 shots para começar o dia com saúde

Artigos recomendados

Confira mais artigos recomendados para você!

Black Friday

Black Friday: 5 dicas de como se preparar para as promoções

Que atire a primeira pedra quem nunca se sentiu tentado a aproveitar a Black Friday para comprar algum item! Algumas pessoas esperam o ano todo pela temporada de compras da Black Friday, que pode até mesmo virar uma Black Week (a semana inteira) para algumas empresas.

Moda

Conheça a história do Jeans, a peça mais democrática de todas

Estamos em uma época em que a tendência é o jeans, e isso nos traz inúmeras nostalgias gostosas das épocas passadas.

Data Comemorativa

Dia Mundial da Fotografia: Uma imagem vale mais que mil palavras?

Uma imagem que captura um momento e o torna eterno, sem dúvida é um dos instrumentos mais extraordinários já inventados pelo homem. O registro de acontecimentos em forma de imagens, revolucionou a sociedade de diversas formas.

Nome do filme

Cla:
Dur:
Fechar
Compre seu ingresso